, ,

Poesias que escrevi com fome - André D' Soares


Título: Poesias que escrevi com fome                            Editora: Penalux
Ano: 2017                                                                                       Compre aqui: Loja Editora Penalux
Páginas: 110                                                                                  Skoob
Autor: André D' Soares
Exemplar cedido pela editora.

Sinopse: “É preciso ter coração de ferro/ Para suportar este inferno /Ou não ter coração”
Poesia rude, sem técnica nem estética, que fala de amor, abandono, aponta injustiças, denuncia o machismo e os preconceitos, sofre com a indiferença, e prova que a palavra é a arma para virar o jogo. André D´ Soares admite que escreve com o desespero daqueles cuja maior dificuldade para emergir na sociedade “está na diferença de largada”.
Essa diferença, o jovem poeta combate debochando com a hipocrisia ou denunciando os opressores, em versos que golpeiam o estômago e nos fazem refletir. Estigma, estereótipo, preconceito e exclusão são seus temas legitimamente sentidos em poemas que, não estivessem divididos em versos, poderiam ser classificados como crônicas, e das boas. Melhor ainda são os poemas curtos, de lirismo certeiro, quase microcontos de tão redondos.
Poesias que escrevi com fome é um livro que revela uma sensibilidade incomum em alguém tão jovem, um poeta em construção e muito promissor.

Oiii gente tudo bem?
Hoje é dia de trazer a resenha de um livro que estava ansiosa para realizar a leitura, principalmente por já acompanhar o autor nas redes sociais e admirar seu trabalho, sendo tão sincero e realista com a sociedade atual que estamos vivenciando.


André com a sua força de expressão de palavras nos leva a ver que o mundo é cruel mesmo, poesias ácidas, nuas e cruas que nos mostram a realidade que estão a nossa volta, mas que de certa maneira a maioria do povo prefere fechar os olhos e achar que isso é normal, uma crueldade que deveria ser debatida e ser feita uma revolução.

FUNERAL
No funeral,
Quando meu rosto
Estiver para o teto do caixão... 
Por favor, não jogue flores em mim.
Jogue todo o amor que você economizou
Quando eu estava vivo.
Pág. 23

Nos traz assuntos sobre estupro, falta de esperança, valorização do indivíduo. Ao lermos, podemos sentir as dores do mundo, no qual todos nós já passamos, até aquela amizade e amor que tudo se iniciara com medo e clareza, mas bastou-se alguma ação e desde então encontram-se como estranhos, desconhecidos que um dia eram apenas um só, creio que a maioria tenha vivido ou conhecido fatos assim.



Apesar disso, encontramos a frieza de suas palavras e alguns palavrões que deveriam ser ditos em alguns momentos de aflição, sentir a falta do próximo, a negação e até mesmo a raiva completam as poesias de André, não ele não quis apenas dedurar seus sentimentos, percebe-se que queria mais, ir além, esclarecer o mundo que encontramos a nossa volta.


É JOSÉ
É José
O senhor lutou a vida toda
Para que seu filho
Não fosse "veado"... 
Hoje ele é assassino de um.
Pág. 71

Quem sabe assim, escrevendo seus livros e trazendo a verdade, as pessoas começam a valorizar o que está a sua volta. Encontramos também a ordem da igualmente em todos os momentos, no qual devemos nos casar e ter filhos, mas sempre tem alguém que não ter esse futuro comum, quer vivenciar de sua maneira o seu fim, independente da opinião do outro.


As poesias de André foram como turbilhão vindo em um imenso furacão para dentro do meu peito, é como se abrisse e me libertasse, que nossos pensamentos se ligassem e que de certa forma eu tinha a mesma opinião em vários relatos, fatos e poesias escritas e descritas de forma tão realista que chega a dar um nó na garganta.

Foi uma leitura maravilhosa, feita em uma manhã fria, congelante que a vontade era de não sair da cama e ficar ali até que o sol desse a cara e esquentasse meu corpo. Senti-me até fria com tanta acidez vinda do autor, mas que a verdade sempre seja dita.

Mais uma vez, com a imensa felicidade não encontrei nenhum erro ortográfico, no qual a Editora Penalux nunca deixou a desejar nesse quesito. O que me deixou perplexa foi essa capa, com um coração extremamente realista. A diagramação está magnífica como podem ver nas fotos acima.


Sobre o autor:
André D’Soares, 25 anos, autor do livro de contos Cheiro de Mofo, nasceu em São Paulo, em meio à pobreza. Começou a escrever, como refúgio, após perder o seu irmão em 2014. Ainda que navegue num mar de adversidades, lança seu segundo livro, deixando claro que não irá parar de escrever tão cedo.






Espero que tenham gostado dessa resenha e indicação, até a próxima!
Share:

24 comentários:

  1. Morgs, não conhecia a obra do André.
    Apesar de não ser adepta de poesia fiquei bem interessada no livro pelas temáticas que você mostrou que ele aborda.
    Super leria.

    ResponderExcluir
  2. Olá!! :)

    Eu confesso que não conhecia etse livro ainda amas fiquei com uma imensa vontade de fazer a leitura! :)

    Enfim, acho ótimo que tenhas gostado e também aproveitado para incluir alguns pormenores sobre o momento de leitura!

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Morgs, sem dúvida um livro e tanto, ainda mais por está falando sem rodeios de problemas tão comuns em nossa sociedade, e o que é melhor, em forma de poemas!!! Gostei e vou anotar.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  4. Oi Morgana!
    Achei o título bem chamativo e só por ele já pude ter uma base do que encontrar no livro. Pelos trechos que você postou deu pra ver que os poemas, apesar de curtos, acabam trazendo reflexões interessantes sobre problemas cotidianos. Deve ter sido uma ótima leitura!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Depois de tantos elogios à obra, fica difícil não ter vontade de ler. Não conhecia o livro nem o autor, e também não tenho o hábito de ler poesias, mas aceitei a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Adoro poesias e gosto mais ainda quando são ácidas, retratando sentimentos e situações sem máscaras. Me interessei bastante pela obra.
    Dica anotada!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Olá Morgs!
    Que trabalho excelente hein. Adorei sua resenha e ver que o autor conseguiu mesclar vários temas e assuntos bem do cotidiano e ainda assim deixar com aquela sementinha para reflexão.
    O projeto gráfico com esse coração ficou demais!
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?

    Essa capa é bem chamativa, e depois de ler sua resenha fiquei com vontade de ler. Não conhecia a obra e nem o autor. Ficarei atenta a mais obras do autor.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Nossa, fiquei chocada com os poemas que você colocou no post! Uaaau! Realmente, esse livro parece ser incrível! Já tinha me impressionado pela capa e título, mas depois de ter contato com os textos e a tua opinião, fiquei ainda mais encantada =O
    Dica anotadíssima!!

    ResponderExcluir
  10. ahhh amei a resenha e a sinopseee S2 apaixonada por esse livro, já quero comprar S2

    ResponderExcluir
  11. Oi Morgs! Não sou muito de ler poesia, mas achei bem interessante os temas abordados pelo autor em sua obra. São coisas que constantemente nos revoltam e encontrar alguem que tenha conseguido colocar todos esses sentimentos no papel... deve ter sido uma experiência singular. É perceptível o quanto você gostou do livro!
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi!!
    Que capa impactante, fiquei olhando para a capa e tentando imaginar sobre o que são as poesias.
    Não é só a capa que cusa impacto, os textos dele também.O autor pelo visto tem o dom de fazer o leitor olhar para aquele lado do dia a dia que queremos deixar ali quieto e não mexer com ele.
    Adorei as poesias que você colocou na resenha.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  13. Menina! Que livro é esse?!
    Só o título já me conquistou e agora com suas impressões sobre o que leu só me fez sentir necessidade de conhecer a obra. Vou solicitar à Editora em e-book.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  14. Oi Morgs! Não conhecia o autor, pelos quotes que você separou deu para perceber que ele tem um escrita bem forte. Achei o título do livro bem legal e fiquei curiosa para saber mais da escrita dele, beijos!

    Entre Livros e Pergaminhos

    ResponderExcluir
  15. Poesia é algo que eu não curto muito ler ... Acho que não tenho a sensibilidade para isso... Infelizmente...
    Contudo, Adorei conhecer a obra aqui no seu blog.
    A capa do livro é sensacional, muito bonita mesmo.
    Vou anotar a dica, caso eu tente me aventurar nessa área... :D

    Beijinhos

    #Ana Souza
    https://literakaos.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  16. Oi, Morgs! Não conhecia o autor e sua obra, e há tempos não via nada igual no gênero poético que me despertasse o interesse. Os temas abordados são bem chocantes e necessários para reflectir sobre os problemas e dificuldades do mundo. Percebe-se que em meio a tanta dor podemos sentir as inspirações do autor. Ótima dica! Amei sua resenha profunda e bem escrita, como sempre. Beijos, flor 😘

    ResponderExcluir
  17. Olá
    O Nome do livro é muito bom desperta nossa curiosidade, não sou muito fã de poesia, mas fiquei bem curiosa com o livro

    ResponderExcluir
  18. Olá, tudo bem?

    Pela sua resenha, ficou bem nítida a intensidade com a qual o autor trabalha.
    Confesso que não conhecia o livro, nem o autor, também que não é muito o meu estilo de leitura, todavia os quotes que você destacou me entusiasmaram. Quem sabe...

    Beijo!

    ResponderExcluir
  19. Oi, Morgs!
    Esse livro me pareceu um belo tapa na cara para quem espera aquelas poesias e versos bucólicos sobre o amor. rsrs As poucas citações já mostram que se trata realmente de uma escrita ácida que não foi feita para ser "bonita", simplesmente. Uma verdadeira crítica e até um desabafo das amarguras que a realidade nos traz e que insistimos em fechar nossos olhos. ótima resenha!
    Bjos!
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
  20. Hi baby, tudo bem? não conhecia o livro e nem o autor mas adoro poesias cruas assim, recentemente li Outros jeitos de usar a boca que é um livro de poesias que acredito serem parecidas com essas, a não ser pela ausência de palavrão, algo que me instigou bastante, lerei com certeza!

    Lilian Valentim
    https://speakcinema.blogspot.com.br/
    beijinhos

    ResponderExcluir
  21. Oiii.
    Eu adorei a capa, e a medida que fui lendo a resenha e lendo alguns trechos das poesias, gostei mais ainda do livro. Sempre fico encantada com poemas que nos atinge de alguma maneira, que nos mostra várias facetas do ser humano. Esta semana li um que amei chamado "Outros jeitos de usar a boca", super recomendo, se você ainda não tiver lido.
    Anotei a dica do livro do André, espero ler em breve.
    beijos

    ResponderExcluir
  22. Vivo falando que não sou muito de poesias, mas os trechos que você publicou no post me chamaram a atenção. Vou procurar ler esse livro.
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  23. Eu achei o título e a capa extremamente chamativos, eu adoro poesias, e não sei, me lembrou Outros jeitos de usar a boca haha vou ler com certeza.
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir